fratura de compressão vertebral

Fratura de compressão vertebral: sintomas, causas e tratamentos

Antes de explicar a fratura de compressão vertebral em si, primeiro, vamos entender mais sobre a anatomia da coluna. Ela reúne 24 ossos das costas mais o cóccix (sacro), que suportam, juntos, a maior parte do peso do corpo e, portanto, ficam sob muita pressão. 

Um osso das costas consiste em uma parte em forma de barril (corpo) na frente, um orifício para a medula espinhal e diversas projeções de osso (chamadas processos). Os discos de cartilagem, entre cada osso, ajudam a amortecer as estruturas.

Como o próprio nome sugere, a fratura de compressão vertebral acontece quando as vértebras sofrem colapso e são esmagadas (comprimidas). 

Sintomas da fratura de compressão vertebral

Em muitos casos, as fraturas de compressão da coluna não causam nenhum sintoma. Em pessoas mais velhas, por terem sofrido muitos episódios do problema, as costas ficam arredondadas e curvadas, causando uma condição chamada cifose. Quando o quadro se instala por causa de osteoporose, em dois terços dos casos, as pessoas não sentem dor. 

Às vezes, esse tipo de fratura desencadeia dor repentina e aguda nas costas, podendo evoluir aos poucos e piorar quando se fica muito tempo sentado ou se levanta, caminha, inclina para frente. Os médicos, durante o exame físico, costumam bater suavemente nas costas, e esse simples ato pode causar um tremendo desconforto em quem tem o enfraquecimento e a deformação. 

Em média, após quatro semanas, a dor diminui, e depois de doze semanas, desaparece. 

Diagnóstico 

Quando o paciente relata os sintomas e o médico suspeita de fraturas de compressão, realiza-se um exame físico, que funciona como descrito acima — são dadas leves batidas na parte mediana das costas para ver se há dor. Também são tiradas radiografias para confirmar o diagnóstico. 

O exame para medir a densidade óssea pode ser solicitado, a fim de verificar a presença de osteoporose e sua possível gravidade. 

Tratamento de fraturas de compressão

O tratamento engloba uso de medicamentos analgésicos, fisioterapia e, caso necessário, procedimentos cirúrgicos, como a vertebroplastia. Quanto antes o paciente retomar as atividades normais, principalmente o caminhar, melhor é. O objetivo de todas essas abordagens é aliviar a dor, elevando a qualidade de vida dos pacientes e prevenindo outras fraturas. 

Se houver fraturas na parte inferior da coluna, o uso de uma cinta para aliviar a dor e tornar a caminhada menos dolorosa pode ser necessário. Em alguns casos, recomenda-se o repouso na cama por alguns dias, no entanto, mesmo nessas situações, é preciso sentar e andar por curtos períodos. É que, ao se movimentar, o paciente previne a perda do tônus muscular e a perda adicional da densidade óssea.

Em algumas situações de fratura de compressão vertebral, duas intervenções minimamente invasivas, vertebroplastia e cifoplastia, podem ajudar a aliviar a dor, possivelmente restaurar a altura e melhorar a aparência. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em Cuiabá!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp